terça-feira, 25 de outubro de 2005

Beba mais leite!


Leite é bom!
Leite é saudável!
Leite é branquinho!
Leite é barato!
Leite é bonito!
Leite é gostoso!
Leite é fabuloso!
Leite é ótimo!
Leite é supimpa!
Leite é natural!
Leite é vitamina!
Leite é energia!
Leite é vida!
Leite é da vaca!
Leite é da cabra!
Leite é da mamãe!
Leite é nosso primeiro alimento!
Leite é tudo!
Leite. Há centenas de milhares de anos servindo você e todo mundo que fô da sua família.

segunda-feira, 17 de outubro de 2005

Só Jesúisi na causa! Silviço compréto!


Eu ia colocar uma foto minha, hoje. Acho que a única decente que eu arranjei nos últimos meses. Mas depois dessa descoberta, que mané foto, o escambal!
O lance é o seguinte: de tanto fazer piada, acabei abrindo mesmo meu coração pra Jesúisi. Na verdade eu abri foi o pulmão... Não agüento rir pelas próximas duas semanas!
Tó o link: Queima, Jesus!
Recomendo pro papai, pra mamãe, pra você e pra Sacha (créditos: Suflê de Beterrabinha)!
Os gifs da página são o ouro! O meu predileto é o do João Kleber! Mas o da conversinha de patty - ou melhor, "di *PaTTy* nU komPUtaDore eh ~~MUUUlti~~ ¨suhper¨ \o/ hÍÍÍper shôu!! ^.^ Ui!"...
Detonou meu rim, meu baço e, de quebra, meu pâncreas, que pra todos os efeitos não vale nada, mesmo (na verdade ele vale, sim, mas eu não posso dizer porque...)!
No mais, nada de novo.
Ah, tem uma boa: cêis tinham que ver meu cabelo! Tá uma piada!!!

A Srta. Suflê de Beterrabinha é uma alma caridosa, serve fielmente ao nosso Senhor Jesúisi e eu aposto 3 por 1 que vai pro céu. Com carteira assinada, décimo terceiro, férias remuneradas e um porte de lança-chamas categoria B.

terça-feira, 11 de outubro de 2005

O Rosa vence o Ouro.


Não sei exatamente o que é, mas algo no retrato da senhorita Mada Primavesi me faz suportar de forma espantosamente tolerante o fundo rosa-rebocado ridículo da imagem. Pode ser o branco-sem-sal perolado do vestido, ou o azul-pipoca do lacinho (lacinho?) no cabelo. Talvez algum dos brinquedos espalhados pelo chão... A garça azul do pescoço laranja, à direita (perto do satélite playmobil), tem um 'quê' de cavaleiros do zodíaco (tá pensando que eu não tive infância? Tudo bem que foi na adolescência, mas a gente pode omitir certos detalhes, não?), mas o bico preto não me agrada muito. O que nos remete ao caranguejo rosa das patolas amarelas, perto do esquilo com bigodes e do Hot Wheels azul. Seria aquela extensão à sua esquerda um apêndice? Só o Flávio UKolombo pode responder...
O lirismo da cena se deve mesmo ao peixinho azul-marinho (juro que não é um trocadilho!) da cabeça amarela no canto esquerdo da tela. Sua sutil subserviência à composição do quadro só fica devendo às Balas Soft gigantes presas ao vestidinho da infante. Sublime. Suave. Soft.

nota #1: repare nos jacarés boquiabertos em volta do tapete cáqui. O segundo da esquerda para a direita tem três olhos. Acaso? Ou intencional? Jamais saberemos...

nota #2: os famosos "pneuzinhos" estavam em voga no ano de 1912.

nota #3: o título deste texto não faz qualquer alusão à suposta superioridade da abstrata projeção conhecida como amor sobre o nosso tão estimado vil metal. Continuo em minha fase estupidamente mercantilista. Pague!

nota #4: não mencionem direitos autorais. Além do mais, o Gustav já morreu.

sexta-feira, 7 de outubro de 2005

E agora, os intervalos comerciais!


Você não agüenta mais as mesmices da internet?
Está cheio dos blogs que não tem nada de novo a oferecer?
Cansou da falta de opções?
Sente falta de aventura em sua vida?
Tem gostinho de "quero mais"?

Então cai fora. Não tenho nada de novo pra te oferecer.
Este deve ser um dos blogs mais parados da net. E quer saber? NÃO DOU A MÍNIMA!!!
Vai plantar uma árvore.

Hoje eu comprei um cavalete novo. Lindão, madeira envernizada, grande, marfim, com suporte pra paleta, tintas e pincéis. Top de linha. O ó do borogodó.
Ah, e veio faltando uma peça. Legal, né?
Sabe aquela criança que acabou de comprar um vídeo-game e vai correndo pra casa? E que, quando chega lá, percebe que não tem joystick nem jogos? Então...
Mas amanhã eu vou até a loja e vou quebrar tudo lá. E eles vão me dar a peça que falta. E eu vou reclamar. Porque eu nunca reclamo. Mas amanhã eu vou reclamar. Vou sim. Ah, se vou. E muito. Muito mesmo. Bastante.
Aaah, me sinto bem mais aliviado agora...
MENTIRA! Ainda tô muito puto! Mas amanhã passa. Sempre passa.
Beijos na medula.

sexta-feira, 30 de setembro de 2005

Nova fase.


Well, já que não consigo pensar em nada melhor pra postar aqui, só me resta comentar minhas novas intenções profissionais: abatjoures reciclados.
Eu realmente não sei se devia ter escrito 'abatjoures'. 'Abajures' me parece bem mais apropriado, mas como eu continuo sem ter algo melhor pra fazer, não custa nada encher lingüiça (com trema, é óbvio...) com termos idiotas e francofonia dilacerante.
Eu já quis falar francês. Hoje estou curado. Abra você também o coração pra Jesus. Mas não se esqueça de freqüentar a igreja evangélica mais radical que puder encontrar. Aproveite e mergulhe de cabeça, doando todos os seus bens que não se adequarem à sua nova vida pra mim. E se encontrar esse tal de Jesus, faça-me um grande favor: diga-lhe que não perdoei a dívida. Quero minha vodka de volta. Cheia. Obrigado.
Tchau.

p.s.: a foto não tem absolutamente nada a ver com o texto, mas eu sempre imagino a sensação de liberdade ao detonar uma fachada de vidro com uma bola de golfe. Supimpa!

terça-feira, 27 de setembro de 2005

Meu bairro em São Paulo!!!


Senhoras e senhores, Aclimação na jogada...
Se eu já não fosse de lá, certamente me mudaria pra lá!

Putz...

Se eu já tivesse um blog, não teria perdido trinta preciosos minutos de meu escasso tempo aprendendo a mexer nessa melda...
Por que, afinal, a gente se deixa seduzir por essas porcarias?
Vai saber...
Bem, já que eu já tô aqui mesmo, lá vai: são 2:05h, eu ainda não terminei uns desenhos que têm de estar prontos amanhã e o sono tá batendo.
Tofú ou não tofú? Eis a caca da questão.
O mau-humor passa assim que eu dominar o edit desse troço.
Boa noite.

segunda-feira, 26 de setembro de 2005

Gênesis...


Tá.
Vamulá... Eu consigo...
Afinal, toooodo mundo tem um blog... Por que eu não conseguiria?
Porque eu sou eu? Hmmm... Tá, bom argumento.
Bem, pra começar, vamos deixar algo bem claro: eu definitivamente NUNCA quis ter um blog. Só criei este aqui por conveniência (eu tinha de ter um senha pra deixar um comentário no blog de uma amiga que pensei que nunca mais veria, daí...).
Nada de crises existenciais ou necessidades de expor publicamente sentimentos reprimidos, nem um ego demasiado enorme pra restringir-se às limitadas paragens do mundinho off-line.
Só falta do que fazer, mesmo.
E como nisso eu sou muito bom... Why noti um brogui?
Então tá. Te vejo (porque seria muita pretensão de minha parte escrever "vejo VOCÊS"...) no próximo post. Até.